Caro amigo violeiro...
Esta página representa parte do conhecimento que passo sobre o estudo de viola caipira.
Convido você a conhecer e desfrutar de minha loja virtual.
Você encontrará apostilas de diversos assuntos e músicas avulsas (vários interpretes e estilos).
E muito mais: ponteios, harmonias e introduções!


Existem várias formas de afinações, porém descreverei a afinação em CEBOLÃO em MI MAIOR, pois trataremos o método nessa afinação.

1- MODO TRADICIONAL DOS VIOLEIROS: com o auxílio do violão afinado pelo diapasão (aparelho de sopro em forma de apito ou de metal parecido com um estilingue), o parceiro do violão faz o acorde de mi maior - E , depois comparamos a 1ª corda do violão com o 1º par de cordas da viola, uma de cada vez; comparamos a 2ª corda do violão com o 2ª par de cordas da viola, repare que tanto no violão como na viola as cordas permanecem soltas.

Agora, afinaremos o 3º par de cordas da viola, note que a 3ª corda do violão está presa na casa 1, e na viola está solta, porém temos duas cordas diferentes a afinar, tomamos a corda mais grossa do 3º par para comparar com a corda do violão.

Depois comparamos a corda do 3º par que sobrou (fina) com a 1ª corda da viola presa na casa 4.

Para afinarmos o 4º par de cordas da viola, comparamos a corda mais grossa com a 4ª corda do violão, repare que esta corda está presa na casa 2. Logo em seguida afinamos a corda fina do 4º par, comparando esta com uma das cordas soltas do 1º par da viola.

E por último, afinamos o 5º par de cordas da viola pelo mesmo processo de afinação do 4º par, porém quando afinamos a corda mais fina utilizaremos uma das cordas do 2º par.

2 – UTILIZANDO O DIAPASÃO: com a nota lá do diapasão, afinamos a corda grossa do 4º par da viola presa na casa 5. Depois pressionamos a casa 4 da mesma corda para afinarmos a corda grossa do 3º par. Após, pressionamos a casa 3 da corda grossa do 3º par e equiparamos com as cordas do 2º par, uma de cada vez. Após pressionamos a casa 5 das cordas do 2º par e afinamos o 1º par.

Observemos que o 5º par de cordas está por afinar, então pressionamos a casa 5 da mesma e comparamos com a corda grossa do 4º par solta, note que a corda grossa do 4º par já se encontra afinada. Portanto, não mexeremos na cravelha desta corda e sim na cravelha da corda 5.

Agora nos falta afinar as cordas finas do 3º par, 4º par e 5º par. Do 5º par equipararemos com as cordas do 2º par; do 4º par equipararemos com as cordas do 1º par; do 3º par pressionaremos a casa 4 de uma das cordas do 1º par.

3 – AFINANDO ELETRONICAMENTE: temos ainda ao nosso dispor um aparelho chamado  "AFINADOR ELETRÔNICO ", onde nos facilita a afinação do instrumento. Com este aparelho utilizamos de habilidade auditiva e visual, pois ele mede as freqüências da vibração das cordas. É um método de grande serventia e o mais utilizado.

Destas três formas de afinação teremos:

 
 
Quando afinamos em CEBOLÃO MI MAIOR, temos:

1º par: mi / mi ( em uníssono )
2º par: si / si ( em uníssono )
3º par: sol sustenido / sol sustenido ( em oitavas )
4º par: mi / mi ( em oitavas )
5º par: si / si ( em oitavas )

 
Quando afinamos em CEBOLÃO RÉ MAIOR, temos:

1º par: ré / ré ( em uníssono )
2º par: lá / lá ( em uníssono )
3º par: fá sustenido / fá sustenido ( em oitavas )
4º par: ré / ré ( em oitavas )
5º par: lá / lá ( em oitavas )

 
Quando afinamos em CEBOLÃO MI BEMOL MAIOR, temos:

1º par: mi bemol / mi bemol ( em uníssono )
2º par: s ibemol / si bemol ( em uníssono )
3º par: sol / sol ( em oitavas )
4º par: mi bemol / mi bemol ( em oitavas )
5º par: si bemol / si bemol ( em oitavas )


Neste caso a forma de afinação mudará de acordo com a tonalidade. Veremos a seguir as variações decorrentes destas alterações:

Na afinação em mi maior este acorde é lá maior ( A )



Na afinação em ré maior este acorde é sol maior ( G )



Na afinação em mi bemol maior este acorde é lá bemol maior ( Ab )


E assim segue com os demais acordes.



Fragmento do livro:
A VIOLA CAIPIRA SEM MISTÉRIOS
Autoria: João Vilarim©


Acesse:
Material Didático


 
we.digi - agência digital
Copyright © 2017 Todos os direitos reservados: João Vilarim | Ponteio Caipira