Advogado Do Diabo

Advogado Do Diabo - João Vilarim

Escuta a minha história companheiro neste meu causo há muita coisa pra contar
Estou chegando de uma terra não distante onde o povo é itinerante e tem sossego até pra andar
Na minha vida tanta coisa aconteceu, mas um fato que se deu dói no peito pra contar
E quando eu lembro aquela fria madrugada eu me calo, digo nada e deixo as lágrimas rolar

Hei doutor, segura as guampas da maldade e faz deitar
Hei doutor, joga o teu laço pra justiça não escapar

Ainda moço eu vivia pra montar herdei o laço e a profissão do velho pai
Ganhei rodeios e minha fama na cidade aumentou e a liberdade conquistava sem penar
Mas neste mundo onde o mal é a ilusão larguei mão da profissão noutros cantos aventurar
Troquei o laço, a arena e o brete fui morar num palacete pra doutor eu me formar

Um certo dia bate a porta um forasteiro muito dinheiro para um caso advogar
Numa demanda onde um punhado de terra era motivo de guerra pra poceiro se matar
Mas todo estudo não valeu naquela hora pois fui eu quem pus pra fora aquele povo "infrator”
Ganhei a causa não me orgulho em dizer vendo as lágrimas correr de um povo trabalhador

Agora entendo que o poder derruba a gente tendo dinheiro mais riqueza faz brotar
Tirei o espaço de gente que só queria fazer lá uma moradia pra semente germinar
Hoje na terra a qual ganhei na empreitada não tem gado, não tem nada, nem capim existe lá
Onde no chão brotava o arroz, feijão e o milho a herança de pai pra filho é a fome pra custear

Hoje seu moço arrependido do que fiz, mas tô feliz, pois aprendi nova lição
Fui enganado pela falsa honestidade, o diploma e a vaidade só trouxe decepção
Larguei de mão a profissão de advogado já voltei para o meu gado e uma coisa vou dizer
Caso perdido é o homem sem coração rouba o pão do seu irmão pra deixar apodrecer
 

Voltar
we.digi - agência digital
Copyright © 2018 Todos os direitos reservados: João Vilarim | Ponteio Caipira