Ao Longo Das Eras

Ao Longo Das Eras - João Vilarim

A boca da noite sugando o meu tempo
Calando as palavras usando o seu fel
A brisa marinha roubando o meu vento
Querendo mandar uma onda de mel

Causando a vida tirando o sossego e vem
Modelar um ventre usando o meu bem
Provando dos sonhos daqueles que já o contém
Quero ver da minha semente brotar

Lambuzando o chão como quem deveria
Cumprir consciência apagando o mal
Inventar palavras, dizer poesia
Caminhos pra um homem tornar-se imortal

Vagando nos anos procriando o amanhecer
Fazer-se em eras viver e morrer
Travando as batalhas assim como um ancestral
Quero ver da minha semente brotar

Cravando o estandarte no topo do mundo
Azul cintilante da cor de seu céu
Conquistar no espaço um sono profundo
Até quando o futuro conservar-lhe o véu

Privar-se das asas usando volitação
Espalhar sua poeira ao longo do chão
Estradas que passam por toda sua geração
Quero ver da minha semente brotar

Voltar
we.digi - agência digital
Copyright © 2018 Todos os direitos reservados: João Vilarim | Ponteio Caipira