Relevos Da Terra

Relevos Da Terra - João Vilarim/Nico

Os passos caminham pra um canto de dor
A vida que nasce sem seu esplendor
Os sonhos cinzentos dessa revoada
As noites, manhãs, dias, madrugadas pra ver passar

A poeira da estrada camufla as araras
Os micos que somem, nenhuma parada
Um mar de baleias não faz renascer
Passado ou presente, viver ou morrer, e esperar

O machado trabalha numa derrubada
O homem que ordena mais uma queimada
Semeiam a peste nos campos da vida
Plantando a desgraça colhendo a ferida para curar

A alma empalhada de um Ser Soberano
Planta, mineral, animal ou ser humano
Seus filhos sedentos por sede de amor
Por campos alheios provocam a dor e fazem chorar

As mãos que esculpem os relevos da Terra
Conquistam espaços sujando-a com guerra
A noite transporta pra um sono tão belo
E os dias julgando batendo o martelo. É pra pensar

Voltar
we.digi - agência digital
Copyright © 2018 Todos os direitos reservados: João Vilarim | Ponteio Caipira