O Dono Do Mundo (WARNER 0927456322) - (2002) - Milionário e José Rico

A Carta
Estou escrevendo esta carta meio aos prantos
Ando meio pelos cantos pois nao encontrei coragem
De encarar o teu olhar
Está fazendo algum tempo que uma coisa aqui por dentro
Despertou e é tão forte que eu nao pude te contar

Quando voce ler eu vou estar bem longe
Não me julgue tao covarde só nao quiz te ver chorar
Perdão amiga são coisas que acontecem
De um beijo nos meninos pois eu nao vou mais voltar

Como eu poderia dar a ela esta carta
Como eu vou deixar pra sempre aquela casa
Se eu ja sou feliz se eu ja tenho amor
Se eu ja vivo em paz
E por isso decidi que eu vou ficar com ela
A minha passagem por favor cancela
Vá sozinha não vou mais

Quando cheguei no portao da minha casa
Como se eu tivesse asas me senti igual criança
Deu vontade de voar
Quase entrei pela janela minha esposa ali tao bela
Dei um forte e longo abraço e começei a chorar

E com as lágrimas as palavras vinham
E rolavam como pedras e ela só a me escutar
Ao enxugar minhas lágrimas com beijos
Revelou que ja sabia, mas iria perdoar

Como eu poderia dar a ela esta carta
Como eu vou deixar pra sempre aquela casa
Se eu ja sou feliz se eu ja tenho amor
Se eu ja vivo em paz
E por isso decidi que eu vou ficar com ela
A minha passagem por favor cancela
Vá sozinha não vou mais

Minha Solidão
Depois de terminar mais um trabalho
Vou de novo solitário
Outra vez nesse avião

Depois de alegrar a tanta gente
Estou com Deus e vou contente
Eu e minha solidão

A vida que pra mim já é rotina
Até o barulho das turbinas
Alivia o meu cansaço

Mas trazem confusões em minha mente
Lembrança de tanta gente
Outra vez me embaraço

Eu olho lá embaixo e vejo luzes
De cidade adormecida tão distante a brilhar
Na mente vem de novo minha infância
Que ficou lá na distância é gostoso recordar

Mas dá no coração uma saudade
Dos amigos que deixei
Dos que partiram para o além

Procuro controlar mas não tem jeito
Porque tenho o direito
De poder chorar também 

E nesse sobe e desce, desce
Vai e vem da vida
Às vezes a gente se impede
Sem achar saída

Preciso encontrar um jeito
De enganar até meu próprio coração
Voltar sorrindo abraçados eu e a solidão

Tá Rindo De Que
Agora tá do jeitinho que ela quer
Eu tô nas mãos dessa mulher
Eu tô nas rédeas da paixão
Eu tô comendo o pão que ela amassa
De caçador virei a caça
Escravo do seu coração

Eu que jogava o laço e não tremia
Que provocava e não corria
E mulher nunca me fez chorar

De todo o gado virei um bezerro manso
Já fui diabo hoje sou santo
Só faço o que esta mulher mandar

Ai, tá rindo de que
Coração de pedra
Também se quebra
Basta sofrer

Ai, não tô nem aí
Eu sou dela eu sei
Eu me apaixonei
Você pode rir 

Nenhuma Esperança
Você tem meu endereço
Você tem meu telefone
Quase não me procura
Simplesmente me deixa
Me funde a cabeça
Me leva à loucura

Você gosta de brincar 
De esconder e procurar
Mas eu nunca te acho
To cansado desse jogo seu
Quem não quer mais lhe encontrar sou eu
To cruzando meus braços

Pode me esquecer, quero te perder
Resta vez pra nunca mais
Rasgue o telefone rabisque meu nome
É assim que a gente faz
Quando a gente esquece
A gente não guarda nenhuma lembrança
Se não quer mais me ver
Então não me dê nenhuma esperança

Lenha Molhada
De paulada eu estou cheio, de desprezo me cansei
Ou você enrola o reio, ou eu vou deixar você
A paciência tem limites o meu gás está no fim
Nosso fogo está apagando você jogou água em mim
Mas ainda temos chance se você fizer assim

Um beijo de manhã que é pra gente esquentar
Dois beijos no almoço, três beijos no jantar
À noite um milhão se o coração puder aguentar

O amor é muito bom, mas você não quer saber
Só vive amargando não sei o que fazer
Que vida danada, lenha molhada não dá pra acender

Amor Traquino
Você me leva aos extremos
E eu não me condeno
Por me amar assim
De um jeito esquisito
Que me leva ao infinito
De tanto prazer

Você é meu amor menino
Um amor traquino
Impossível de conter
E esse amor que não tem hora
Que enloquece e me devora
E domina o meu ser

Quando toca no meu corpo, toca em minha alma
E me tira a calma me faz louco por você
Meu bem querer é mesmo assim

E esse amor é tão bonito
Aonde acredito que é pra valer
Hoje não consigo sem esse amor viver

O Dono Do Mundo
Ódio, quanto ódio tanta guerra
Não sei explicar eu só sei
Que esse ódio consome

Maldade, crueldade é o que impera
Nesta selva de pedras
A fera mais fera é o homem

Como pode um pássaro de aço aterrorisar tanto
Deixar o mundo todo em pranto
Gente que mata pronto a morrer

Quero ver o poderoso que grita Calado e mudo
De cara com o Homem que é dono de tudo
Negar as maldades pra se valer

Dizendo ao Homem eu sou o fulano de tal
E ao ver o seu reinado que chega ao final
Pergunta a si mesmo que homem é esse

Eu sou aquele que um dia nasceu
Pra pregar o amor que morreu
Prometi um dia voltar
Vim consertar o que Você quebrou
Devolver as vidas que levou
Todo o pranto eu vim enxugar

O perdão quantas vezes eu já perdoei
Sempre ao lado do pai te esperei
E você simplesmente esqueceu
Tudo fiz e morri pelo amor mais profundo
Mas sou eu o Dono deste mundo
Que o meu pai construiu e me deu

Quero ver o poderoso que grita calado e mudo
De cara com o Homem que é dono de tudo
Negar as maldades que praticou

Eu voltei pra julgar te por tudo que fez
Só te digo pela última vez
Sou Jesus o Rei dos Reis

Memória Esquecida
Ai que vontade de ouvir de novo
Moda sertaneja que hoje não se faz
Parece até que a sensibilidade
Ficou na saudade não existe mais

Me dói saber que alguns artistas
Que alcançaram sucesso na vida
Usaram tanto o sertão como história
E hoje na memória ficou esquecida

Ai que vontade de ouvir agora o som da viola num pagode bom
Lindas guarânias que a gente arrepia no som na magia do acordeon
Cade o tal cantador de verdade com simplicidade, alma e coração
Apaixonado pela natureza cantava belezas deste meu sertão

Quanta saudade da terra tombada
Do fogão de lenha e o cafezal em flor
E o cantar triste da siriema
Que já foi o tema de canções de amor

Até a linda colcha de retalhos
Serviu de agasalho não se lembram mais
A mãe de leite de filho presente
Hoje ninguém sente a falta que ela faz

Ai que vontade de ouvir agora o som da viola num pagode bom
Lindas guarânias que a gente arrepia no som na magia do acordeon
Já não se lembra o velho candieiro que foi o primeiro rei do estradão
Eu agradeço o progresso que vejo, mas o sertanejo ainda é sertão

Bailão Cuiabano
"É isto aí amigo vamos juntos, vai ser grande Cuiabá"

Me dê licença eu preciso ir embora
Já está quase na hora e não posso demorar
Neste momento o baile está começando
Tem alguém me esperando eu não posso me atrasar

Lavadeira, lavadeiro
Neste momento preciso sair rasgando
E já vou entrar dançando lambadão em Cuiabá
Neste momento preciso sair rasgando
Vou entrar na noite adentro até o dia clarear

Volta Pra Casa
Meu amor volta pra casa
Não me faça mais sofrer
Solidão tem gosto amargo
De saudade faz doer

Eu preciso de outra chance
É você que eu adoro
Se você voltar pra casa
Ah, eu não choro

Sem o seu amor não dá
Sem o seu calor é fria
Sem você eu não me ajeito
Nem de noite nem de dia

Dentro do meu coração
Solidão é brasa
A saudade tá batendo
Dizendo volta pra casa

Meu Desespero
Você já viveu comigo encheu de amor meu coração
Perfumou a nossa cama deixando o gosto da solidão
Esqueceu em nosso quarto uma foto sua de corpo inteiro
Que hoje em minha vida é meu pedaço de desespero
Que hoje em minha vida é meu pedaço de desespero

Não posso ouvir no rádio aquela canção que você gostava
E corro e vou pro boteco beber mais uma pra te esquecer
Vendeiro desce mais uma confere a conta la na tabela
Repete aquela canção que eu bebo e choro pensando nela

Por você já bebi tanto que estou ficando bem conhecido
Você fez a minha fama porque me deu um amor fingido
Já estou me acostumando com esta vida de um pobre louco
Com a foto sobre a mesa bebendo todas eu acho pouco
Com a foto sobre a mesa bebendo todas eu acho pouco

Não posso ouvir no rádio aquela canção que você gostava
E corro e vou pro boteco beber mais uma pra te esquecer
Vendeiro desce mais uma confere a conta la na tabela
Repete aquela canção que eu bebo e choro pensando nela

Quanta Saudade
Pensando em você é assim que estou vivendo
Sofrendo e querendo te amar mais e mais
Sua ausência me judia meu amor não tem quantia é muita paixão
Sem você aqui comigo meu viver é um castigo, quanta saudade

Sem você aqui meu mundo é vazio É só solidão
Só quero você devolva a vida pro meu coração
Abraçar e beijar sentir o seu corpo meu bem que vontade
Você me faz falta sem você comigo tudo é saudade

Amor, eu já fiz de tudo 
Pra ver se consigo te esquecer
Mas o amor não é brinquedo
E nem é tão simples assim
Amor por favor volte pra mim

Esta Noite Como Lembrança
Você me pede nesta noite em que estamos juntos
Que eu fique e que faça você feliz
Peço desculpas mesmo chorando eu abro a porta
O seu destino infelizmente eu não fiz

Agora resta partir vida minha
Eu tenho que deixar você aqui
Chorando confessa que sem mim não dorme
Confesso que sem você não vou dormir

O seu destino foi construído por suas mãos
Faz dois anos que não é minha, que se casou
A quero tanto, mas eu enfrento a realidade
Fique esta noite como lembrança do que acabou
Agora resta partir vida minha
Eu tenho que deixar você aqui
Chorando confessa que sem mim não dorme
Confesso que sem você não vou dormir

O Seu Retrato
Arrumando as coisas em meu quarto fiquei muito triste
Revirando meu velhos papéis o que foi que achei
Sua foto amarela esquecida estava jogada
Num instante me vi na saudade e depressa peguei
O passado já quase esquecido retornou no quarto
E o retrato mostrou me o seu rosto quando eu chorei

Alucinações de amor as recordações de alguém
Velhas lembranças que o tempo levou mas não destruiu
Se eu soubesse amor que hoje encontraria
Teria queimado este seu retrato quando você partiu

Eu pensava que já não lembrava nossa desventura
E tivesse curado de tudo quanto já sofri
Eu pensava que já não pensava em nosso romance
E você fosse apenas um caso dos que já vivi
Mas agora revendo o seu rosto sei que me enganei
Você é o resumo de tudo que sonhei pra mim

Alucinações de amor as recordações de alguém
Velhas lembranças que o tempo levou mas não destruiu
Se eu soubesse amor que hoje encontraria
Teria queimado este seu retrato quando você partiu

Músicas do álbum O Dono Do Mundo (WARNER 0927456322) - (2002)

Nome Compositor Ritmo
A Carta Álvaro Socci / Claudio Motta Balanço
Minha Solidão José Rico / Campanário Bolero
Tá Rindo De Que Rick / Alexandre Chamamé
Nenhuma Esperança Rick / Alexandre Balanço
Lenha Molhada Darci Rossi / Rio Grande Country
Amor Traquino Arandas Jr Balanço
O Dono Do Mundo José Rico / Campanário Balada
Memória Esquecida José Rico / Campanário Toada Balanço
Bailão Cuiabano José Rico Chamamé
Volta Pra Casa Lucimar Monalisa Balanço
Meu Desespero (A Tabela) Rahell / Darci Rossi Chamamé
Quanta Saudade José Rico / César Balanço
Esta Noite Como Lembrança Darci Rossi / Marciano Rancheira
O Seu Retrato Darci Rossi / Marciano Guarânia
Compartilhe essa página
Aprenda a tocar viola, acesse Apostila de Viola Caipira Material de qualidade produzido por João Vilarim