Felicidade (CONTINENTAL 171405641) - (1985) - Tião Carreiro e Pardinho

Tchau Amor
Tchau, tchau, tchau amor
Vou embora, mas te levo no pensamento por onde for
Tchau, tchau, tchau amor
Vou embora, mas te levo no pensamento por onde for

Esse é o nosso último encontro não fique aborrecida
Amanhã eu vou embora e vou sair da sua vida
Esse é o nosso último encontro não fique aborrecida
Amanhã eu vou embora e vou sair da sua vida

Tchau, tchau, tchau amor
Vou embora, mas te levo no pensamento por onde for
Tchau, tchau, tchau amor
Vou embora, mas te levo no pensamento por onde for

Pra ti ver em outros braço eu prefiro o abandono
Teus carinhos não são meus teu amor tem outro dono
Pra ti ver em outros braço eu prefiro o abandono
Teus carinhos não são meus teu amor tem outro dono

Tchau, tchau, tchau amor
Vou embora, mas te levo no pensamento por onde for
Tchau, tchau, tchau amor
Vou embora, mas te levo no pensamento por onde for

Meu amor não fique triste, nem pense que sou ruim
Pra sua felicidade é que estou agindo assim
Meu amor não fique triste, nem pense que sou ruim
Pra sua felicidade é que estou agindo assim

Tchau, tchau, tchau amor
Vou embora, mas te levo no pensamento por onde for
Tchau, tchau, tchau amor
Vou embora, mas te levo no pensamento por onde for

Felicidade
Faz muito tempo ainda me lembro foi numa festa lá no Jaraguá
Foi mais ou menos por fim de setembro eu nestes versos quero relembrar
Felicidade, oh! Felicidade tão pouco tempo que você durou
Eu vivo agora curtindo a saudade veio a tristeza e comigo ficou

Não tenho mais aquela companheira que muitas vezes comigo sofreu
Felicidade foi tão passageira toda a alegria do meu peito morreu
Felicidade, oh! Felicidade volte de novo no meu peito viver
Se ela voltasse oh! Felicidade eu lhe agradeço e que bom vai ser

Flor Do Baile
Eu estava num baile cantando pra esquecer a traição de um amor
Quando ouvi os homens dizendo entra agora no baile uma flor
Eu olhei pra ver quem entrava e chorei com profunda emoção
Vi que era a mulher que um dia roubou a alegria do meu coração

Flor do baile é assim que os boêmios a chamam
Mas o meu coração que reclama sabe bem a flor que tu és
Flor da noite que fugiu do jardim do meu lar
Hoje vive tristonha a murchar na orgia dos seus cabarés

Enquanto ela com outro dançava embalados por minha canção
Um soluço embargou minha voz não cantei e chorei de emoção
Aos saber que após tantos anos hoje vinha encontrar meu amor
Para mim ela é uma sombra, mas para os boêmios do baile é uma flor

Flor do baile é assim que os boêmios a chamam
Mas o meu coração que reclama sabe bem a flor que tu és
Flor da noite que fugiu do jardim do meu lar
Hoje vive tristonha a murchar na orgia dos seus cabarés

Esqueça Tua Maria
Eu sei de gente que anda aqui na redondeza
Rindo da minha tristeza do meu triste padecer
Gente que sabe a vida feliz que eu tive
Sabem até onde ela vive e não querem me dizer

Se eu soubesse eu não ia condenar
Só queria perguntar por que foi que ela deixou
Nossa morada onde nós vivia bem 
Talvez por causa de alguém Maria me abandonou

Gente malvada por despeito ou por maldade
Pra aumentar mais a saudade e pra mais me ver penar
Passa na rua quando me vê na janela
Me perguntam sempre dela e se ela vai voltar

Pois esta gente que inveja o meu amor
Pra aumentar mais minha dor vejam o que fizeram um dia
Pois escreveram com carvão na minha porta
Seu amor nunca mais volta esqueça a sua Maria     

Encontrei Que Eu Queria
Encontrei quem eu queria da vida já não reclamo
Meu bem se amar é viver só vivo porque te amo
Meu bem se amar é viver só vivo porque te amo
Agradeço à Deus de noite agradeço à Deus de dia
Deus pra mim foi bom demais me dando quem eu queria
Nos braços de quem eu amo peço à Deus para viver
Se eu perder quem eu amo peço à Deus para morrer

Agradeço à Deus de noite agradeço à Deus de dia
Deus pra mim foi bom demais me dando quem eu queria
Nos braços de quem eu amo peço à Deus para viver
Se eu perder quem eu amo peço à Deus para morrer

Três Namoradas
Eu tive três namoradas em minha vida
A primeira foi Rosana com cinco aninhos
Eu tinha a idade dela e imaginava
Que a vida fosse apenas um brinquedinho

Um dia ela foi embora e eu fiquei chorando
O primeiro desengano eu senti bem cedo
A inocência de criança não compreendi
Por que a vida quebrou o nosso brinquedo

A segunda namorada durou bem menos
Eu tinha quatorze anos e ela também
Me lembro quanto sofremos na despedida
Por entender os espinhos que a vida tem

Eu sabia que ao perder um amor na vida
É bem difícil um dia recuperar
E só encontrei de novo nos braços de outro 
Quando ela entrava na igreja para se casar

A terceira eu já tinha meus vinte anos
Que esta Deus a levou para nunca mais
Foi este o golpe maior que tive na vida
Por vivermos em dois mundos tão desiguais

A primeira posso um dia encontrar ainda
A segunda pode um dia se divorciar
A terceira nunca mais eu verei por que 
Lá no céu não há caminho para regressar

Rei Dos Canoeiros
Segunda feira de tarde tava caindo garoa
Cheguei na beira do rio peguei a velha canoa
E a canoa foi rodando, ai, ai, eu fui sentado na proa

Lá no porto das araras que o rio claro deságua
Vou entrando na vazante água pesada recua
Jogo a tarrafa n’água ai, ai tirar peixe a gente soa

No lugar que não dá nada a gente desacorçoa
Deixo o meu anzol na espera onde os peixes grande amoam
Volto alegre pro meu rancho, ai, ai, quando faço pesca boa

O vento forte do sul vem deitando as taboas
A garça da meia volta para descer na lagoa
Ela vem de manhã cedo, ai, ai quando é de tarde ela voa

Sou violeiro e pirangueiro e só canto moda boa
Todas as modas que eu invento quem escuta não enjoa
Estando com meu companheiro ai, ai, garanto minha coroa

Moradia
Eu moro lá num recanto onde ninguém me amola
Numa casa ao pé da serra mora eu e a viola
O sapo mora no brejo e o sabiá na gaiola
Minha voz mora no peito e meus versos na cachola

Tatu mora no buraco aranha mora na teia
O anel mora no dedo o brinco mora na orelha
Coração mora no peito o sangue mora na veia
Gente boa mora em casa criminoso na cadeia

Porco mora no chiqueiro o boi mora na invernada
Pescador mora no rancho boiadeiro nas estradas
Boêmio mora na rua sereno na madrugada
A lua mora no céu e o vento não tem morada

A perdiz mora no campo o bem-te-vi no sertão
Baleia mora no mar, lambari no ribeirão
Rato mora no paiol o morcego no porão
Eu moro nos braços dela e ela em meu coração

Palhaço mora no circo a rima na poesia
O uirapuru lá na mata na festa mora alegria
O rico mora no centro o pobre na periferia 
Num casebre em Nazaré morou a Virgem Maria

Rolinha Cabocla
De tarde volto da roça e descarrego os cargueiros
Eu solto a tropa no pasto prendo o baio no potreiro
Boto milho pras galinhas, boto milho no chiqueiro
Aparto todo o meu gado, todo o meu gado leiteiro

Depois de todo o trabalho eu volto pra descansar
E na soleira da porta eu sento pra cachimbar
Ali eu vou me entretendo vendo as rolinhas voltar
Pois moram todas comigo nas árvores do meu quintal

Este bando de rolinhas só uma não quer ficar
É uma rolinha arisca que muito me faz penar
Esta rolinha que eu digo é a derradeira passar
Deixando o ninho já feito pra noutro ninho ir pousar

Se essa rolinha cabocla que passa pro meu caminho
Bem sabe que neste rancho vive um caboclo sozinho
Rolinha se tu quiseres eu te darei meus carinhos
Um é pouco e dois é bom pra viver dentro de um ninho

Se tu rolinha malvada soubesse a vida cruel
Que eu vivo só neste rancho sem carinho de mulher
Rolinha em forma de gente que passa por meu sertão
Hás de cair no laço que eu fiz no meu coração

Cobra Venenosa
Você talvez não conheça, o veneno que as cobras têm
Pois elas quando dá o bote balança o guizo também
A cascavel traiçoeira, quando ela quer se vingar
Balança o guizo contente na hora dela picar
A urutu é perigosa, de ruim não se manifesta
É cobra tão venenosa que traz uma cruz na testa
Jaracuçu, Deus nos livre quando ela chega a picar
Deixa o sinal do seus dentes e a cicatriz no lugar
Mas eu lhes digo a verdade por cobra já fui picado
Por cascavel, caninana, urutu esse malvado e, de todas eu já me livrei
Desse veneno "Amargura", existe um contra veneno por isso tudo se cura
Mas tem uma cobra do mato, uma cabocla lá do sertão
Que trás o veneno nos olhos e ataca no coração
Dessa uma vez fui picado um dia só por maldade
Que ainda trago o veneno na cicatriz da saudade

Já vai fazer quase um ano que eu deixei o meu sertão
Por um veneno dos olhos que atingiu meu coração
Uma cabocla do mato, que tanto mal tem me feito
Uma olhada me deu, foi um veneno perfeito

Essa cobra venenosa cobra em forma de gente
Talvez a mais perigosa pode matar de repente
Procurei tantos remédios andei por toda cidade
Mas tal o que não existe nada que cure a saudade

Agora vou repetir a história mais dolorosa
Esta cabocla do mato é a cobra mais venenosa

Mineiro De Monte Belo
Na beirada do telhado é morada do cuitelo
Sanhaço tem pena verde mora no pé de marmelo
No galho da laranjeira sabiá peito amarelo
No braço desta viola mineiro de Monte Belo
Quando eu entro num catira os meus pés são dois martelos

A onça mora no mato só sai pra pegar o vitelo
Os pés de moça bonita moram dentro do chinelo
O rei e a rainha moram dentro do castelo
Minha voz mora no peito por isso que me acautelo
Eu não canto no sereno pela minha voz eu zelo

Casamento é coisa boa dois unidos por um elo
Eu estou apaixonado só agora me revelo
Ela tem dois irmãos brabos eu amanso e depois atrelo
Amanhã eu levo ela antes meu cavalo eu selo
A viagem é perigosa eu arrisco e não cancelo

Cinturão cheio de bala levo faca e parabelo
Se eu perder no ferro frio pro pau de fogo eu apelo
Meu dedo não tem juízo no gatilho quando eu relo
Caboclo de sangue quente é na bala que eu gelo
Mineira vamos embora que eu venço qualquer duelo

Canarinho Tá Chorando
Lá no campo da Espanha nosso time brasileiro
Entrou igual leão e saiu igual carneiro
Tem um ditado antigo do tempo da vovozinha
Não pode contar com o ovo na barriga da galinha
Canarinho voou longe entrou na copa cantando
Mas agora é só tristeza voltou pro ninho chorando

No jogo Brasil e Itália só vou pena amarela
Pra caçar os canarinhos Itália fez esparrela
O samba foi humilhado pelo som da tarantela
Itália mostrou pro mundo que tem força nas canelas

Canarinho voou longe entrou na copa cantando
Mas agora é só tristeza voltou pro ninho chorando

Que saudade do Pelé, do Garrincha e do Tostão
E os demais companheiros que souberam ser campeão
O doutor Paulo Machado pé quente da seleção
O marechal da vitória que trago no coração

Canarinho voou longe entrou na copa cantando
Mas agora é só tristeza voltou pro ninho chorando

Msicas do lbum Felicidade (CONTINENTAL 171405641) - (1985)

Nome Compositor Ritmo
Tchau Amor Peão Carreiro / Ado / Praense Rojão
Felicidade Raul Torres Guarânia
Flor Do Baile José Fortuna / Pitangueira Valsa
Esqueça Tua Maria Raul Torres / João Pacífico Toada
Encontrei Que Eu Queria Lourival Dos Santos / Tião Carreiro Valsa
Três Namoradas Dino Franco / José Fortuna Valsa
Rei Dos Canoeiros Zé Carreiro / Vieira Cururu
Moradia Nhô Chico / Tião Carreiro / Craveiro Rojão
Rolinha Cabocla Raul Torres / João Pacífico Toada Balanço
Cobra Venenosa Raul Torres / João Pacífico Toada e Toada Ligeira
Mineiro De Monte Belo Lourival Dos Santos / Serrinha Pagode
Canarinho Tá Chorando Paraíso / Lourival Dos Santos Pagode
Compartilhe essa pgina
Aprenda a tocar viola, acesse Apostila de Viola Caipira Material de qualidade produzido por Joo Vilarim