Presépio (RCA-CAMDEN 5203) - (1968) - Tonico e Tinoco

Presépio
Menino Jesus vem socorrer 
Estamos cansados de tanto sofrer

Glória a Deus lá nas alturas protegei a humanidade 
Derramai Vossa benção, homem de boa vontade 
√Č o povo que entoa o hino a Deus Menino Jesus¬†
√Č os pobres que est√£o pedindo a Vossa divina luz

Menino Jesus vem socorrer 
Estamos cansados de tanto sofrer

Justiça pra quem merece quem arrepende o perdão 
A luz para os governantes é para o bem da Nação 
N√£o deixe faltar o trabalho n√£o desampare o sert√£o
√Č o povo que est√° pedindo aos filhos n√£o falte o p√£o¬†

Menino Jesus vem socorrer 
Estamos cansados de tanto sofrer

Nasceste na manjedoura e o mundo Vós conduz 
O poder do Espírito Santo é a nossa eterna luz
Ajoelhado a teus pé, no teu presépio Jesus 
Nós queremos a Tua ajuda pra carregar nossa cruz 

Menino Jesus vem socorrer 
Estamos cansados de tanto sofrer

Pé Da Letra
Viajei de madrugada na minha besta Bainha 
Fui numa Festa de Rei na Fazenda Lagoinha 
Pertinho de Porto Alegre eu cheguei Iá de tardinha 
Fazendeiro Zé Valente família da gente minha

Larguei a mula no pasto depois de dar um repasso
Dei uma verta na sala soltei meu peito de aço
Vi uma morena trigueira fiz um verso no embaraço
Quando repiquei a viola ela caiu no meu braço

Eu falei em casamento me respondeu com frieza
N√£o me caso com violeiro eu tenho grande riqueza
Sou a rainha do gado sou rica por natureza
Só gostei da sua viola desculpe a minha franqueza

Respondi no pé da letra sou lá de Mina Gerais
Tenho garimpo e diamante, sou um grande industrial
Sou dono de muitas terras, crio boiada em Goi√°s
Eu compro sua fazenda e todas suas credenciais
O povo bateu palma é isso mesmo rapaz
Ela perguntou meu nome eu só dei as iniciais
Ela me abraçou chorando apresentando seu pai
O prazo do casamento violeiro é você quem faz

Teu Desprezo
Você não quer meu amor 
Você não quer meu carinho 
Você não gosta de mim 
Mas não sai do meu caminho 

Na roseira nasce o espinho 
Mais nasce também a flor 
Do meu amor o carinho 
Do teu desprezo a dor 

Você não quer meu amor 
Você não quer meu carinho 
Você não gosta de mim 
Mas não sai do meu caminho 

Orgulho não se carrega 
No fundo do coração 
Se você não tem maldade 
Não em faça ingratidão 

Saudade De Boiadeiro
No campo de Mato Grosso berrante silenciou 
No fim da estrada da vida o boiadeiro chegou 
Passando triste caminho que seu destino marcou 
Na derradeira viagem que Deus lhe determinou

A equipe doutor Zerbini com a divina providência
Transplantando coração fez uma grande experiência
Jesus escolhe os humildes mostrando a sua clemência
E chamou João Boiadeiro para a luz da nova ciência

Para o bem da humanidade desta vida transitória 
Mostrando para o doutor marcando o passo da glória 
O saudoso boiadeiro fica em nossa memória
Fechando o livro da vida entrou na vida da história

Adeus, o Jo√£o Boiadeiro j√° cumpriu sua jornada
Morrendo como ponteiro pra salvar toda a boiada 
Abrindo novo caminho nos pantanais e quebradas 
Deixando o rasto florido no campo da nova estrada

Canta Moçada
Fim de baile, fim da noite 
√Č come√ßo de sofrer¬†
Que só fica a saudade 
De quem teve um bem querer 

Canta , canta moçada 
Que é de madrugada 

O galo ta cantando 
Não demora amanhecer 
Meu cavalo ta arriado 
Querendo eu levo você 

Canta, canta moçada 
Que é de madrugada 

Os suspiros são dobrado 
As morena soluçando 
Meu amor eu já vou embora 
O baile ta se acabando 

Canta, canta moçada 
Que é de madrugada 

A lembrança desse baile 
√Č uma saudade malvada¬†
Foi bem triste a despedida 
Adeus minha namorada 

Canta, canta moçada 
Que é de madrugada 

Rancho Vazio
Eu me vejo tão sozinho 
Aqui dentro do ranchinho em t√£o grande solid√£o
Sinto até um nó na garganta
Uma coisa que me espanta que me aperta o coração
Até o meu perdigueiro 
Já não sai mais do terreiro depois que ela morreu 
Até parece que o bichinho 
Encolhido no cantinho sofre muito mais que eu

Guardei um vestido dela 
Guardei um par de chinela tudo pra recordação 
Não esqueço nem por nada 
Sua imagem retratada que eu guardei no coração
Às vezes eu tiro o chapéu 
Levanto os olhos pro céu, pergunto a nosso senhor 
Onde está minha Maria 
Mulher que eu tanto queria e que você carregou 

Minas Gerais
Oh! Minas Gerais, oh! Minas Gerais 
Quem te conhece não esquece jamais 
Oh! Minas Gerais 

Eu saí da minha terra 
Pra não voltar nunca mais 
Mas a saudade malvada 
Me fez voltar pra trás 
Recordando as lindas fontes 
L√° da casa dos meus pais
Voltei pra Belo Horizonte 
Querida Minas Gerais

Oh! Minas Gerais Oh! Minas Gerais
Quem te conhece não esquece jamais 
Oh! Minas Gerais

O chão de Minas querida 
Tudo ali reproduz 
Onde o pão se multiplica 
Como nas mãos de Jesus 
Onde abriga toda gente 
Com os direitos iguais 
Oh! Terra de Tiradentes 
Querida Minas Gerais 

Oh! Minas Gerais Oh! Minas Gerais
Quem te conhece não esquece jamais 
Oh! Minas Gerais

Ah! Minha terra querida 
Tua bandeira paterna 
Nunca serás esquecida 
Dos homens que te governa 
Sem fronteira e sem medida 
Dos pampas aos seringais 
O Brasil é minha vida 
Meu berço Minas Gerais 

Oh! Minas Gerais Oh! Minas Gerais
Quem te conhece não esquece jamais 
Oh! Minas Gerais

Querer Bem
Não há machado que corte a raiz de um bem-querer, ai, ai 
Se cortar, torna a brotar, se arranca torna a nascer, ai, ai

Sobre amar e querer bem, eu só queria saber
Há tempo eu venho sofrendo, eu mesmo não sei por que 
Uma esperança perdida, mas eu não posso esquecer, ai

O cantar dos passarinhos é o que mais me faz sofrer
Neste rancho solit√°rio eu n√£o tenho mais prazer
Pego a viola pra alegrar, escuto as corda gemer, ai

√Č uma fraqueza que eu tenho fiz um estudo pra ver¬†
No consultório do amor, o exame do bem-querer
Meu coração machucado, da saudade de você, ai

Eu fiquei desenganado, j√° me deram de entender
Que essa doença não tem cura não adianta combater
Quem sofre por querer bem sara o dia que morrer, ai

Santo Antonio De Catigeró
√ď meu Santo Ant√īnio de Catiger√≥

Senhor Jesus Cristo só Ele é o maior
Meu São Benedito de nós tenha dó
√ď Nossa Senhora n√£o me deixe s√≥
√ď meu Santo Ant√īnio de Catiger√≥

Eu andava doente cada vez pior
Dou graças a Deus hoje estou melhor
√ď Nossa Senhora n√£o me deixe s√≥
√ď meu Santo Ant√īnio de Catiger√≥

Pedindo a Jesus de nós tenha dó
Viemos do nada voltamos ao pó
Quem vive da fé nunca está só 
√ď meu Santo Ant√īnio de Catiger√≥

Boiada
Boiada, triste boiada na estrada cheia de pó 
Boiada o meu coração também caminha tão só 
Levando junto a saudade velha esperança guardada 
Vai carregando a tristeza a passo lento na estrada 

Saí de casa menino deixei chorando meu pais
Cresci no mundo sozinho e não voltei nunca mais 
A irmã deve estar casada, a mãe que nunca me esquece 
Meu pai de certo est√° velho, o irm√£o j√° nem me conhece

Muitas vezes na despedida eu tenho que disfarçar 
Quando uma lágrima rola caída do meu olhar 
A poeira vai levantando no céu formando um letreiro 
Se espalhar em letra de pó saudade de um boiadeiro

Cavaquinho No Fandango
Instrumental

Ingrata Morena
Ai, ai, ai, ai, Moreninha 
De que vale eu ter amor se eu já sei que não é minha 
Ai, ai, ai, ai, Moreninha 
De que vale eu ter amor se eu já sei que não é minha

Os olhos falam a verdade quem gosta a gente adivinha 
Amando com falsidade coração da moreninha 

Ai, ai, ai, ai, Moreninha 
De que vale eu ter amor se eu já sei que não é minha 
Ai, ai, ai, ai, Moreninha 
De que vale eu ter amor se eu já sei que não é minha

Passa perto disfarçada com a mão na cinturinha 
Desprezando vai-se embora o ingrata moreninha

Ai, ai, ai, ai, Moreninha 
De que vale eu ter amor se eu já sei que não é minha 
Ai, ai, ai, ai, Moreninha 
De que vale eu ter amor se eu já sei que não é minha 

Eu queria ser um rei só pra ter uma rainha 
Mais sou pobre desprezado do amor da moreninha 

Ai, ai, ai, ai, Moreninha 
De que vale eu ter amor se eu já sei que não é minha 
Ai, ai, ai, ai, Moreninha 
De que vale eu ter amor se eu já sei que não é minha 

Mķsicas do Šlbum Pres√©pio (RCA-CAMDEN 5203) - (1968)

Nome Compositor Ritmo
Presépio Tonico Toada Milonga
Pé Da Letra Tonico / Tinoco / Augusto Altran Cateretê
Teu Desprezo G. Blota / C. De Barros / S. Costa Almeida Rancheira
Saudade De Boiadeiro Tonico / Tinoco / Rielinho Rasqueado
Canta Mo√ßada Tonico / Nh√ī Fio / Non√ī Bas√≠lio Xote
Rancho Vazio Anacleto Rosas J√ļnior / Arlindo Pinto Toada
Minas Gerais Tonico / Joel Bandeira Valsa
Querer Bem Motinha / Nh√° Fia Moda De Viola
Santo Antonio De Catigeró Tonico / Tinoco Congada
Boiada Zé Paioça Toada
Cavaquinho No Fandango Tonico / Z√© Do Rancho / J√©zio Ara√ļjo Samba Can√ß√£o
Ingrata Morena Tonico / Tinoco Cana-verde
Compartilhe essa pŠgina
Aprenda a tocar viola, acesse Apostila de Viola Caipira Material de qualidade produzido por Jo„o Vilarim