Rei Dos Boiadeiros (CHANTECLER 211405659) - (1984) - Tonico e Tinoco

Na Beira Da Tuia
Na beira da tuia oi que baile bom 
Na beira da tuia eu ganhei teu coração 
Na beira da tuia oi que baile bom 
Na beira da tuia eu ganhei teu coração

Baile na beira da tuia é a festa do sertão 
Morena dos olhos verde que prendeu meu coração 

Na beira da tuia oi que baile bom 
Na beira da tuia eu ganhei teu coração 
Na beira da tuia oi que baile bom 
Na beira da tuia eu ganhei teu coração

Baile na beira da tuia é o baile no terreiro 
Alegria da fazenda e o viva pro fazendeiro

Na beira da tuia oi que baile bom 
Na beira da tuia eu ganhei teu coração 
Na beira da tuia oi que baile bom 
Na beira da tuia eu ganhei teu coração

O baile de fim de ano é o baile da aleluia 
Conheci Maria Rosa no arrasta pé da tuia

Sul De Minas Gerais
Rever a terra encantada de quem não esquece mais 
√Č a mente cansada que polu√≠da me faz¬†
√Č a paz que me espera no sul de Minas Gerais
Qualquer dia desse me mando pra Minas Gerais 
Qualquer dia desse me mando pra Minas Gerais 

√Č carro, gente e buzina aumenta cada vez mais¬†
Depois de um trabalho duro até o fim do dia faz 
√Č a paz que me espera no sul de Minas Gerais
Qualquer dia desse me mando pra Minas Gerais 
Qualquer dia desse me mando pra Minas Gerais 

Vencido pelo progresso eu digo não posso mais 
Me mando pro campo verde pra fazenda do meu pai 
√Č a paz que me espera no sul de Minas Gerais¬†
Qualquer dia desse me mando pra Minas Gerais 
Qualquer dia desse me mando pra Minas Gerais 

Olhos Pretos
Essa morena não sei o que ela tem 
Morena dos olhos pretos faz a gente querer bem 
Essa morena não sei o que ela tem 
Morena dos olhos pretos faz a gente querer bem 

Morena dos olhos preto com olhos muito ligeiro 
Cuidado com essa morena seu olhar é traiçoeiro 

Essa morena não sei o que ela tem 
Morena dos olhos pretos faz a gente querer bem 
Essa morena não sei o que ela tem 
Morena dos olhos pretos faz a gente querer bem 

Olhos verdes são ligeiros o azul lindo também 
O castanho me domina olhos preto me quer bem 
Essa morena não sei o que ela tem 
Morena dos olhos pretos faz a gente querer bem 
Essa morena não sei o que ela tem 
Morena dos olhos pretos faz a gente querer bem 

Eu roubei uns olhos pretos e guardei no coração 
E plantei mais um ranchinho colorindo meu sertão 

Essa morena não sei o que ela tem 
Morena dos olhos pretos faz a gente querer bem 
Essa morena não sei o que ela tem 

Que Saudade
Quando me lembro da minha velha palhoça 
Meu cavalo minha roça, meu velho carro de boi 
Das algazarras que fazia a passarada 
Anunciando a madrugada, que a noite j√° se foi

Mais que saudade que vai e vem 
Do meu sertão e da cabocla também
Mais que saudade que vai e vem 
Do meu sertão e da cabocla também

Me dá uma dor bem no fundo do meu peito 
De saber que não tem jeito de voltar o que passou 
Pego a viola pendurada na parede 
vou lá fora e estico a rede, num ponteio esqueço a dor 

Mais que saudade que vai e vem 
Do meu sertão e da cabocla também
Mais que saudade que vai e vem 
Do meu sertão e da cabocla também

Por isso quando eu percebo a tristeza 
Contemplando a natureza eu me ponho a cantar 
Vou ponteando a canção que me consola 
No dueto da viola canta longe um sabi√°

Mais que saudade que vai e vem 
Do meu sertão e da cabocla também
Mais que saudade que vai e vem 
Do meu sertão e da cabocla também

Que Beleza
Ai que beleza, uma viola pra cantar 
Ai que beleza, o sertão do meu luar 
Ai que beleza, uma viola pra cantar 
Ai que beleza, o sert√£o do meu luar

Morena formosa que eu quero bem 
Você vive dentro do meu coração 
Ai longe de mim foi pra cidade 
A felicidade é aqui no sertão 

Ai que beleza, uma viola pra cantar 
Ai que beleza, o sert√£o do meu luar
Ai que beleza, uma viola pra cantar 
Ai que beleza, o sert√£o do meu luar

Eu moro na roça e penso em você 
Morena formosa não vai me esquecer 
Viver na cidade não é pra você 
A felicidade é um bem querer 

Ai que beleza, uma viola pra cantar 
Ai que beleza, o sert√£o do meu luar
Ai que beleza, uma viola pra cantar 
Ai que beleza, o sert√£o do meu luar

Morena formosa é uma rosa em botão 
Vivendo juntinho do meu coração 
Com a natureza e a terra do chão 
Um vale florido, aqui no sertão 

Ai que beleza, uma viola pra cantar 
Ai que beleza, o sert√£o do meu luar
Ai que beleza, uma viola pra cantar 
Ai que beleza, o sert√£o do meu luar

Meu Cachorro Fiel
Eu quero bem o meu amigo 
Que mora comigo e não paga aluguel 
Foi meu companheiro de todas as horas 
Me estima e me adora é o cachorro fiel

E tudo passa na vida o fiel envelheceu 
J√° est√° surdo, j√° n√£o anda seu latido enfraqueceu,
Às vezes eu pego meu laço e o meu cavalo ligeiro 
Faço um gesto com meu braço de laçar um pantaneiro

O velho cachorro chora lembrando das viagens 
Correndo invernada afora com os pantaneiro selvagem
Meu cachorro me salvou na invernada um certo dia 
Como herói matou uma cobra que ela me perseguia

Quantas viagens perigosa quantas passagens cruel 
Quantas lembranças saudosa do meu cachorro fiel 
Comemos a mesma comida andamos na mesma estrada 
Sofremos junto na vida com estouro de boiada
 
Hoje seus olhos brancos sem sono o que ele pensa eu já sei 
N√£o me abandone meu dono eu nunca te abandonei
Meu cachorro eu te comparo como qualquer ser humano 
Todos precisam de amparo quando a idade vem chegando

Vou te dar todo o auxílio neste rancho hospitaleiro 
Te tratarei como um filho meu fiel, meu companheiro 
Eu juro conte comigo não vai ficar sem socorro 
Mais vale um cachorro amigo do que um amigo cachorro

Rei Dos Boiadeiros
Pai Juca de Brito Doninha sua mãe querida 
Nasceu um filho para exemplo e começando a sua vida 
Em Barretos vendendo jornal e leite e todo serviço fazia 
Ajudando a ganhar o pão dos pais uma alegria 
Foi crescendo ficou moço um valente boiadeiro 
Sua inteligência e humildade conquistou o mundo inteiro 

Ovídio Miranda Brito é o rei dos boiadeiros 
Viajando de Sul a Norte neste rincão brasileiro 
Desbravando o sertão plantando com os camaradas 
Com a bandeira no peito levando tropa e boiada

Muito alegre sorridente com os pobres e os ricaços 
Quando entra num rodeio tá chegando o rei do laço 
Na cidade de Uberaba aí numa festa do peão 
Conheceu a Esmeralda que uniu os dois coração
 
Criando sua família com a força dos seus braços 
Do querido velho pai os filhos seguem seus passos 
Em janeiro ele partiu para outra eternidade 
Lágrimas do Céu caíram deixando grande saudade
Adeus boiadeiro... Quanta saudade! 

Vira Pra C√°, Vira Pra L√°
Arrasta-p√© e cana verde tem as suas tradi√ß√Ķes
Portugal a romaria no Brasil viva S√£o Jo√£o
Vira pra cá, vira prá lá no Brasil é arrasta-pé 
Que se dança em Portugal 
Vira pra cá, vira prá lá no Brasil é arrasta-pé 
Que se dança em Portugal 

Cai na roda ó Maria dança o vira rodopiado 
No terreiro da fazenda arrasta-pé bem animado 
Vira pra cá, vira prá lá no Brasil é arrasta-pé 
Que se dança em Portugal 
Vira pra cá, vira prá lá no Brasil é arrasta-pé 
Que se dança em Portugal 

O Brasil com alegria, Portugal de coração
A sanfona e a guitarra pra fazer um baile bom
Vira pra cá,vira pra lá o Brasil é arrasta-pé 
Que se dança em Portugal
Vira pra cá, vira prá lá no Brasil é arrasta-pé 
Que se dança em Portugal 

Trinidade
Foi num baile l√° na est√Ęncia conheci uma gauchita¬†
Dançando a noite inteira vaneirão e a chimarrita

O pai ga√ļcho velho quis saber minha inten√ß√£o¬†
Sua filha é condenada que roubou meu coração 

Pois bem, ga√ļcho guapo, seja feita a tua vontade¬†
Realizando o casamento vem morar em Trinidade 

Um viva pros ga√ļchos aqui de Trinidade¬†
Eu casando com essa prenda ai quanta felicidade 

Mineirinha No Arrasta-pé
Ai, Ai, Ai, cantando para viver 
Ai, Ai, Ai, eu canto para você 
Ai, Ai, Ai, cantando para viver 
Ai, Ai, Ai, eu canto para você
 
Arrasta pé da mineirinha sempre quem dança quer mais 
Cana Verde cana verde veio de Minas Gerais
 
Ai, Ai, Ai, cantando para viver 
Ai, Ai, Ai, eu canto para você 
Ai, Ai, Ai, cantando para viver 
Ai, Ai, Ai, eu canto para você
 
Dançando o arrasta pé no meio deste salão 
Dando viva pro festeiro na noite de S√£o Jo√£o
 
Ai, Ai, Ai, cantando para viver 
Ai, Ai, Ai, eu canto para você 
Ai, Ai, Ai, cantando para viver 
Ai, Ai, Ai, eu canto para você
 
E dançando o arrasta pé cantando com alegria 
Roda, roda minha gente até clarear o dia 

Ai, Ai, Ai, cantando para viver 
Ai, Ai, Ai, eu canto para você 
Ai, Ai, Ai, cantando para viver 
Ai, Ai, Ai, eu canto para você

Festa De S√£o Sebasti√£o
Que bom que bom a festança no sertão 
Bata palma minha gente pra louvar S√£o Sebasti√£o
Que bom que bom a festança no sertão 
Bata palma minha gente pra louvar S√£o Sebasti√£o

Até o meus companheiro nossa festa terminar 
E a noite vem caindo amanhã pra trabalhar 
E o dinheiro da festança vai servir pro Padre Lino 
Reformar a capelinha que já está quase caindo 

Que bom que bom a festança no sertão 
Bata palma minha gente pra louvar S√£o Sebasti√£o
Que bom que bom a festança no sertão 
Bata palma minha gente pra louvar S√£o Sebasti√£o

Adeus meus amiguinhos a festa se acabou 
Carrego minha viola que meu dedo calejou 
No peito a saudade e também satisfação 
Estar junto com vocês cantando de coração
 
Que bom que bom a festança no sertão 
Bata palma minha gente pra louvar S√£o Sebasti√£o
Que bom que bom a festança no sertão 
Bata palma minha gente pra louvar São Sebastião 

Ai ai ai viva a festa no arraial vamos embora minha gente 
Que a noite tá pra chegar! ai ai ai viva a festa no arraial 
Vamos embora minha gente que a noite tá pra chegar 

O Tropeiro (El Bandolero)
Eu sou um tropeiro e adoro esta vida 
A gente vai para onde quiser 
Não tenho amores, querência nenhuma 
E nunca me prendo por uma mulher 

Ter liberdade e um pingo de raça 
Esta é a vida que sempre eu quis 
Tocando a tropa, eu vou pelo mundo 
E cantando sou muito feliz 

Muitas mulheres formosas me querem 
Quantas promessas de amor recebi 
Mas meu destino é vagar pelo mundo 
Gostar de alguém eu jamais consegui 

Eu sou um tropeiro e adoro esta vida 
A gente vai para onde quiser 
Não tenho amores, querência nenhuma 
E nunca me prendo por uma mulher 

Quando sozinho eu cubro as campinas 
Em minhas longas jornadas sem fim 
Fico pensando numa linda china 
Que ficou longe chorando por mim 

Mķsicas do Šlbum Rei Dos Boiadeiros (CHANTECLER 211405659) - (1984)

Nome Compositor Ritmo
Na Beira Da Tuia Tonico / Nadir Arrasta-pé
Sul De Minas Gerais Patrícia Cururu
Olhos Pretos Tonico / Tinoco / Nadir Corrido
Que Saudade Toninho Rocha / Tinoco Toada
Que Beleza Tinoco / Nadir Samba
Meu Cachorro Fiel Tonico / Tinoco / José Caetano Erba Toada
Rei Dos Boiadeiros Tonico / Tinoco / Nadir Cateretê
Vira Pra C√°, Vira Pra L√° Tinoco / Nadir Vira
Trinidade Tinoco / Nadir / Beto Carreiro Vaner√£o
Mineirinha No Arrasta-Pé Tonico / Tinoco / Nadir Arrasta-pé
Festa De S√£o Sebasti√£o Theot√īnio Pav√£o Corrido
O Tropeiro (El Bandolero) Jesus Ramos / Ariovaldo Pires Corrido
Compartilhe essa pŠgina
Aprenda a tocar viola, acesse Apostila de Viola Caipira Material de qualidade produzido por Jo„o Vilarim