Tonico E Tinoco (1975) (CABOCLO-CONTINENTAL 103405183) - (1975) - Tonico e Tinoco

Vou Voltar Ao Mato Grosso
Se eu pudesse voar, eu ia voando agora 
Para matar a saudade que eu sinto a toda hora 
Da minha gente querida hospitaleira e colosso 
Que mora no grande estado, o querido Mato Grosso

Mas como não posso estar com ele neste momento 
Envio esta homenagem através do pensamento 
Esquecer aquela gente, amigo, isso não pense 
Desejo paz e amor ao povo mato-grossense

Porém não demoro muito vou fazer minha vontade 
Visitando Cuiabá e também outras cidade 
Levando nossa homenagem, este choroso rasqueado 
A todo mato-grossense aquele abraço apertado

Ga√ļcho Franco
Companheirada sou lá do rio Grande 
Estou aqui somente de passagem 
Me dá licença vou encilhar o cavalo 
Já está na hora de seguir viagem 

Este meu traje de ga√ļcho guapo¬†
√Č o estilo que a mo√ßada gosta¬†
Bombacha larga, bota sanfonada 
Chapéu bem grande jogado nas costas 

Um guaiaca cheia de dinheiro 
E no pescoço um lenço colorado 
Um prateada pra comer churrasco 
Um trinta e oito pra ser respeitado 

Protejo os fracos também as crianças 
Sei castigar um índio atrevido 
Muitos amores trago na lembrança 
Sei desprezar um coração fingido

Não sou covarde nem sou violento 
Eu sou guasca muito precavido 
Confio em tudo, mas desconfiando 
Ga√ļcho franco √© meu apelido

Motorista Do Progresso
Quem viaja o Brasil de ponta a ponta 
Nem nos dedos a gente conta os caminh√Ķes de transporte¬†
Como é bonito ver um caminhão roncando 
Um brasileiro guiando vai do sul e vem do norte 

Vai rodando escoando a produção 
√Č o progresso da na√ß√£o aumenta de hora em hora¬†
Ronca o gigante deslizando sobre a pista 
O valente motorista sofre calado e não chora 

Motorista brasileiro de coragem 
Lá vai ele de viagem pesando em sua amada 
Vai cantando, vai gemendo, vai chorando 
Saudades pra traz deixando na poeira da estrada

Peço aos outros que tem auto bonitão 
Ao passar um caminhão acene muito gentil 
Note bem que no carro de transporte 
Vai um brasileiro forte do progresso do Brasil 

Se lá adiante ver um caminhão tombado 
O motorista esmagado por debaixo do cargueiro 
Pinte um cruz com pinche da própria pista 
Descansa ali um motorista do progresso brasileiro 

Reze a Deus que proteja o bom chofer 
Quando ele for ou vier pro interior e pra cidade 
Ele é humano nosso irmão é nossa gente 
Seu coração é valente, mas tem amor, tem saudade 

Se adiante ver um caminh√£o tombado
Um motorista esmagado por debaixo do cargueiro
Pinte uma cruz com o piche l√° da pista
Que descanse o motorista do progresso brasileiro

Seu motorista, sei que a tua vida é dura 
Mas a tua alma é pura igual a céu cor do anil 
Se não fosse a força desse teu braço 
O progresso era um fracasso, oque seria do Brasil 

Rindo ou chorando e levando o Brasil pra frente 
Este grande continente cada vez tem mais valor 
Leva contigo motorista brasileiro 
São Cristóvão padroeiro, teu zeloso guardador 

Você Me Abandonou
Todo mundo fala, fala, do teu falso bem querer 
Quanto mais o povo fala, mais eu gosto de você

Nega, me abandonou por quê? 
Nega, eu sei que eu vou morrer

J√° vendi minha boiada eu j√° fui receber
Já mandei fazer a morada só falta meu bem querer
Nega, me abandonou por quê? 
Nega, eu sei que eu vou morrer

Ai quem não quer ser amada é fácil reconhecer
Passa perto disfarçada, fazendo que não me vê

Nega, me abandonou por quê? 
Nega, eu sei que eu vou morrer

Falsidade não esquece, teu desprezo é meu sofrer 
Tu ama quem n√£o merece, despreza meu bem-querer

Nega, me abandonou por quê? 
Nega, eu sei que eu vou morrer

Sorte Tirana
Eu resolvi um dia bem cedinho e arreei a potranca ruana 
Botei a roupa na mala de viagem e disse adeus ao pago de Santana 
Mas de cruzada cheguei um instante foi na est√Ęncia da linda serrana
Eu vou partir, querida, n√£o chore pois minha sorte ter sido tirana

Dei um adeus e deixei o Rio Grande atropesito pela parte plana
Cruzei o Estado Santa Catarina, parei no sitio de José Viana 
Encontrei uma linda moça e o namoro durou uma semana 
Eu perguntei de onde ela era disse ga√ļcho, sou curitibana

Me despedi daquela linda moça e parti para Sorocabana 
Enfrentando os trabalhos da vida porque a vida quase sempre engana 
Deixei São Paulo e foi pra Goiás, gostei demais da capital goiana 
Sem poder esquecer o amor da gauchinha, minha conterr√Ęnea

Foi pro interior capatazear uma est√Ęncia sou bem feliz, moro numa choupana¬†
Na economia já sou meio sócio já vejo a sorte que pra mim abana 
J√° destinei, quando melhorar mais, vou ao Rio Grande buscar minha Ana
Pra completar a felicidade falta você, gauchinha serrana

Pé Da Letra
Viajei de madrugada na minha besta Bainha
Fui numa festa do peão na Fazenda Lagoinha 
Pertinho de Porto Alegre eu cheguei Iá de tardinha 
Fazendeiro Zé Valente família de gente minha

Solteii a mula no pasto depois de dar um repasso
Dei uma volta na sala sorte meu peito de aço
Vi uma ga√ļcha trigueira fiz um verso no embara√ßo
Quando repiquei a viola ela caiu no meu braço

Eu falei em casamento me respondeu com frieza
N√£o me caso com violeiro eu tenho grande riqueza
Sou a rainha do gado sou rica por natureza
Só gostei da sua viola desculpe a minha franqueza

Respondi no pé da letra sou lá de Mina Gerais
Tenho garimpo e diamante, sou um grande industrial
Sou dono de muitas terra, crio boiada em Goi√°s
Eu compro sua fazenda e todos seus credenciais

O povo bateram palma é isso mesmo rapaz
Ela perguntou meu nome, eu só dei as iniciai
Ela me abraçou chorando, apresentando seu pai
O prazo do casamento, ga√ļcho √© voc√™ quem faz

O Homem E O Cavalo
O homem que tem cavalo, tem um grande companheiro
Pois o homem corta a lenha, cavalo traz o cargueiro
Puxando na carpideira cavalo ajuda na roça
O homem que faz a carga cavalo puxa a carroça
Ai, ai, cavalo puxa a carroça

Montado em seu cavalo o boiadeiro que foi 
Jogando laço certeiro cavalo puxando o boi 
Na escola da fazenda das crianças da lavoura 
O cavalo na charrete vai levando a professora 
Ai, ai, vai levando a professora

Caboclo que rouba a moça no seu cavalo ligeiro 
Ele ajuda seu patrão, despedida de solteiro 
Aluno que mora longe cavalo leva pra escola 
Leva a gente no catira ai, na garupa a viola 
Ai, ai, na garupa a viola

O cavalo serve o homem qualquer hora, noite e dia 
Até nas Forças Armada temos a cavalaria. 
Cavalo, amigo do homem da sua história que eu falo
Até o nosso São Jorge andava no seu cavalo 
Ai, ai, andava no seu cavalo

Moreninha
Meu coração é tristonho sofrendo tamanha dor 
Tudo passou como um sonho nosso tempo de amor 
Moreninha tu és bela és formosa igual a flor 
Eu te adoro, te namoro moreninha meu amor 

Já não sou mais quem eu era de quando você me deixou 
Meu coração é tapera onde foi ninho de amor 
Moreninha tu és bela és formosa igual a flor 
Eu te adoro, te namoro moreninha meu amor 

Nós vivendo separado a saudade não tem fim 
Lembro o tempo passado t√ļ nem lembra de mim
Moreninha tu és bela és formosa igual a flor 
Eu te adoro, te namoro moreninha meu amor 

Distante De Ti
Pensei tanto esta noite em nós dois no resumo meu pranto caiu 
Deveria deixar pra depois tanta dor que meu peito sentiu 
S√£o os meus sentimento que crescem de amor e loucura por ti
O meu coração não esquece um momento distante de ti

Amanhã voltarei a teus braços nele quero dormir e sonhar 
Cora√ß√Ķes bater√£o em compasso como √© lindo contigo acordar¬†
Ver a réstia de sol na janela despertar o sono profundo 
Para o meu coração, minha bela, não tem outra mulher neste mundo

Aprendi a dizer que te quero quando longe de ti eu fiquei 
Sofro tanto que me desespero meu amor, amanhã voltarei 
Para sempre contigo viver já pedi para Deus, meu Senhor 
Uma bênção possa descer sobre mim, sobre ti, meu amor

Boiadeiro Triste
De quebrada em quebrada, o boiadeiro vem 
Recordando a boiada, na poeira da estrada, saudade de alguém
O boiadeiro triste sofre como ninguém 
Um passado distante, no som do berrante chora também

E guarda por lembrança, ai, do tempo de peão
Companheiro saudoso, o pala de pouso, o laço e gibão

Porque hoje a boiada viaja de caminh√£o
E o triste carreiro, pe√£o de boiadeiro, n√£o tem profiss√£o

O boiadeiro triste, o mundo é mesmo assim
A nossa vida passa é como fumaça, e tudo tem fim

Chora Moreninha, Chora
Chora morena, chora saudade do nosso amor 
Meu cavalo está arriado amanhã bem cedo eu vou 
Eu vou, eu vou, Amanhã bem cedo eu vou 
Não posso viver contente ausente do meu amor 
 
Eu já fiz o meu ranchinho Todo enfeitado de flor 
No retiro da saudade pra morar com meu amor 
Eu vou, eu vou, Amanhã bem cedo eu vou 
Não posso viver contente ausente do meu amor 

Meu bem mora na cidade eu moro aqui no interior 
Quanto mais o tempo passa mais aumenta a minha dor 
Eu vou, eu vou, Amanhã bem cedo eu vou 
Não posso viver contente ausente do meu amor 

Adeus, Ga√ļcha
Adeus, ga√ļcha querida, eu disse quando parti¬†
Estava clareando o dia, dela eu me despedi 
Toquei a espora no pingo e pela estrada sai 
À grama verde orvalhada, cantava uma juriti 
Chapeei meu chapéu preto, com a juriti fiz dueto
Adeus, terra onde nasci.

Adeus, adeus, adeus terra onde nasci
Adeus, adeus, chorando me despedi

Quando cruzei na divisa fiquei mais aborrecido 
Senti que estava pisando num estado desconhecido 
Olhei pra traz e acenei pra terra onde eu fui nascido 
Meu cavalo relinchou, suspirei e dei um gemido 
Sofrendo igual o seu dono por deixar no abandono 
Nosso Rio Grande querido

Tive dó do meu cavalo que sofria sem razão 
Tirei o arreio de cima e soltei meu alazão 
Dei um tapa sobre a anca volte pro nosso rincão 
Não tem culpa se o dono sofre a desilusão 
Aí eu segui para frente, chorando pranto dolente 
Da triste separação

Agora conto por que deixei a terra querida
A ga√ļcha que eu amo j√° era comprometida¬†
Pra não morrer não matar ela fez a despedida 
Sei que também era amado ela chorou na partida 
Ainda amo e não nego, faz três anos que eu carrego 
Esse desgosto na vida

Mķsicas do Šlbum Tonico E Tinoco (1975) (CABOCLO-CONTINENTAL 103405183) - (1975)

Nome Compositor Ritmo
Vou Voltar Ao Mato Grosso Nhozinho / Ronaldo Adriano Rasqueado
Ga√ļcho Franco Z√© J√ļnior Xote
Motorista Do Progresso Teixeirinha Toada
Você Me Abandonou Tonico / Tinoco Samba Caipira
Sorte Tirana Teixeirinha Corrido
Pé Da Letra Tonico / Tinoco / Augusto Altran Cateretê
O Homem E O Cavalo Bob Joe / João Gonçalves Rojão
Moreninha Tonico Valsa
Distante De Ti Teixeirinha Valsa
Boiadeiro Triste Tonico / Tinoco Toada
Chora Moreninha, Chora Tonico / Jaime Janero Roj√£o
Adeus, Ga√ļcha Teixeirinha Toada Milonga
Compartilhe essa pŠgina
Aprenda a tocar viola, acesse Apostila de Viola Caipira Material de qualidade produzido por Jo„o Vilarim