Viva A Viola (COELP 41873) - (1983) - Tonico e Tinoco

Baile Na Roça
Baile na roça, meu bem, se dança assim
Pego na cintura dela, e ela atarraca em mim 

E o sanfoneiro toca, toca alegria 
Vamos, vamos, minha gente, até clarear o dia

Baile na roça, meu bem, se dança assim
Pego na cintura dela, e ela atarraca em mim 

Dança, dança com a morena, dança, dança com a loirinha 
Começa o baile na tuia e termina na cozinha

Baile na roça, meu bem, se dança assim
Pego na cintura dela, e ela atarraca em mim 

Viva o baile na roça, viva a noite de São João 
√Č o povo brasileiro conservando a tradi√ß√£o

Baile na roça, meu bem, se dança assim
Pego na cintura dela, e ela atarraca em mim 

Viola De Ouro
Eu tenho na minha sala na parede pendurada 
Uma viola de pinho com as cordas enferrujadas 
Olhando nessa viola quanta saudade me traz
A viola pertenceu ao meu querido pai 

Com essa viola velha o velho pai trabalhava 
Era sua ferramenta do tempo que ele cantava 
Foi grande sua proeza me deu um diploma na mão 
Por isso, meu amigo a viola é meu coração

Cada tinido da viola era um pão que ele trazia, 
As modas que ele cantava me enchiam de alegria 
Ai cantando conseguiu me fazer um homem honrado
Meu emblema de doutor está na viola gravado 

Lá na minha faculdade me chamam de caipirão 
Por ser filho de violeiro não fico zangado não 
Sou caipira e tenho orgulho ser caipira o que é que tem 
Sou doutor de medicina e sou violeiro também
 
A viola representa meu futuro minha vida 
Pra mim ela é de ouro e nunca será esquecida 
Os meus filhos vão saber o valor que ela tem 
Talvez um dia eles queiram ser violeiro também 

Bail√£o Ga√ļcho
Ao Rio Grande do Sul adorado 
Conservando lindas tradi√ß√Ķes
Os ga√ļchos dan√ßando arrasta-p√©¬†
E as prendas enfeitando os bailão 

Dança o xote e dança a vaneira 
Rancheira e também vaneirão 
Os ga√ļchos dan√ßando arrasta-p√©¬†
E as prendas enfeitando os bailão 

Nos bail√Ķes se re√ļne as fam√≠lias¬†
Os ga√ļchos tomando m√©¬†
E um viva para o Rio Grande 
Os ga√ļchos no arrasta-p√©¬†

Coração Sofredor
Bate forte o coração mais não conte a tua dor 
Vai ouvindo essa canção a canção do meu amor 
Chore igual meu violão companheiro de valor 
Mais oculte esta paixão deste mundo enganador 

Coração bate tinindo coração é sofredor 
Chora por quem está sorrindo sofre por quem te deixou 
Coração que tá sentindo quero te pedir um favor 
E assim vou resumindo vê se esquece aquele amor 

Adeus, Adeus
Adeus, adeus, palavra que entristece 
Ai é saudade que nunca se esquece 
Adeus, adeus, palavra que entristece 
Ai é saudade que nunca se esquece

Adeus que eu já vou embora deixo a minha saudação 
Aos homens grande amizade as mulher aperto de mão 

Adeus, adeus, palavra que entristece 
Ai é saudade que nunca se esquece 
Adeus, adeus, palavra que entristece 
Ai é saudade que nunca se esquece

Pras crianças alegria de um simples cantador 
Dos velhos a juventude deixo todo o meu amor

Adeus palavra que entristece 
Ai é saudade, que nunca se esquece 
Adeus palavra que entristece 
Ai é saudade, que nunca se esquece 

A saudade é tristeza de uma separação 
Um adeus e uma saudade ai machuca o coração 

Adeus, adeus, palavra que entristece 
Ai é saudade que nunca se esquece 
Adeus, adeus, palavra que entristece 
Ai é saudade que nunca se esquece

Valsinha Cabocla
O baile já vai começando sob o luar prateado
O terreir√£o enfeitado de flor amarela da primavera

Uma parminha pra c√°, outra palminha pra l√°
Neste balanço de palma, papai aplaudia, mamãe sorria

A mesma bandinha tocando, papai mamãe dançando
A valsa que vem e que vai, do tempo passado que n√£o volta mais

Uma parminha pra c√°, outra palminha pra l√°
Neste balanço de palma, papai aplaudia, mamãe sorria

Deixando a tristeza de lado, papai, mam√£e t√£o feliz,
Igual a dois namorado, dançando a valsinha e pedindo bis

Uma parminha pra c√°, outra palminha pra l√°
Neste balanço de palma, papai aplaudia, mamãe sorria

Bate Com O Pé, Bate Com A Mão
Bate com o pé, bate com a mão 
Quando eu olho pro meu bem 
Bate forte o coração 
Bate com o pé, bate com a mão 
Quando eu olho pro meu bem 
Bate forte o coração 

Morena cabelo ondeado é a minha tentação 
Nas ondas do teu cabelo naufragou o meu coração 

Bate com o pé, bate com a mão 
Quando eu olho pro meu bem 
Bate forte o coração 
Bate com o pé, bate com a mão 
Quando eu olho pro meu bem 
Bate forte o coração 
Os teus olhos são ligeiros brilha mais do que o luar 
Dois amor quando se ama vive sempre a cantar 

Bate com o pé, bate com a mão 
Quando eu olho pro meu bem 
Bate forte o coração 
Bate com o pé, bate com a mão 
Quando eu olho pro meu bem 
Bate forte o coração 

A você moça bonita da cidade e do sertão 
Cantando esta modinha pra alegrar o coração 

Bate com o pé, bate com a mão 
Quando eu olho pro meu bem 
Bate forte o coração 
Bate com o pé, bate com a mão 
Quando eu olho pro meu bem 
Bate forte o coração 

Viva A Viola
Viva a viola viva! e viva o violeiro 
A viola sertaneja alegrando os brasileiros 

A sanfona e violão Forma o baile caipira 
No ponteio da viola E que dança o catira 
Viva a viola viva! e viva o violeiro 
A viola sertaneja alegrando os brasileiros 

Cantando de peito aberto um coração magoado 
A viola me conhece quando estou apaixonado, e viva...
Viva a viola viva! e viva o violeiro 
A viola sertaneja alegrando os brasileiros 


Uma festa terminando apagando a fogueira 
A viola e a saudade são as duas companheiras, e viva... 
Viva a viola viva! e viva o violeiro 
A viola sertaneja alegrando os brasileiros 

Beto Carreiro
Lá vem o Beto Carreiro cantando como ninguém
Com o seu carro de boi, ai vem, ai vem, ai vem

Em Rio Preto se criou, junto com os seus irm√£os
Um grande herói do campo,carro de boi dos bons
Carreiro ficou na história, do pai a tradição

Carreiro é um moço alegre festeiro de São João
Canta e dança o catira na festa com seu irmão
No seu cavalo ligeiro, alegrando os cora√ß√Ķes

Sua fazenda moderna, tem trator e dos bons
Com a força dos seu braço, o progresso dando a mão
Quanto Beto Carreiro, precisa pro meu sert√£o

Lá vem o Beto Carreiro cantando como ninguém
Com o seu carro de boi, ai vem, ai vem, ai vem

Saracura Três Potes
Saracurinha três-potes, bonita e voa serena
Cantora do meu sert√£o, saudade feita de pena
√Č o rel√≥gio sertanejo quando a tarde vai morrendo
Despertar da madrugada quando o dia vem nascendo

Seu canto tem a mistura, alegria e tristeza,
A flauta que Deus lhe deu pelas m√£o da natureza
À tardinha ela canta junto a ave-maria
Ai, outra vez nos encanta quando vem rompendo o dia

Saracurinha três-potes dueto concerto alado
Saudade feita de pena lembrança do meu passado
√Čs a rainha do brejo, de cora√ß√£o e garganta
Um lírio da madrugada, a flor cheirosa que canta

√Čs a princesa das √°guas, trovando quando ela voa
Pondo um pouco de alegria nas tristeza da Alagoa
√Čs a ternura da tarde quando a noite vem chegando
A lagartinha de fogo os pirilampo voando

À noite canta o curiango joão-corta-pau no cerrado
Pulando a beira da estrada cantando de lado a lado
√Čs a manh√£ de orvalho de sol mansinho beijada,
Abrindo a boca ainda quente dos beijos da madrugada

La Paloma
Quando amanhece o dia no meu rincão 
Parece que natureza tem coração 
Quando amanhece o dia no meu rincão 
Parece que a natureza tem coração 

À tarde o tanger do sino da capelinha 
Bem perto o cantar dolente de uma rolinha 

Quando é noite de lua a tristeza me vem, ai 
São saudades de um grande amor, que longe vai 
À tarde o tanger do sino da capelinha 
Bem perto o cantar dolente de uma rolinha

Quando amanhece o dia no meu rincão 
Parece que a natureza tem coração

Cantar √Č Viver
Cantar cantar é viver 
Viver viver é cantar 
Todos cantando comigo 
E vamos todos cantar 

Ai todo mundo cantando 
Que bom seria pra nós 
Paz sa√ļde e amor¬†
Papai mamãe e os avós 

Cantar, cantar é viver 
Viver, viver é cantar 
Todos cantando comigo 
E vamos todos cantar 

Quando eu vim ao mundo 
O padre me batizando 
Cantaram os parabéns 
Padrinhos e anjos cantando 

Cantar cantar é viver 
Viver viver é cantar 
Todos cantando comigo 
E vamos todos cantar 
Cantem com alegria 
E vamos todos cantar 
Dos campos a natureza 
Cantar, cantar é amar 

Cantar cantar é viver 
Viver viver é cantar 
Todos cantando comigo 
E vamos todos cantar 

Mķsicas do Šlbum Viva A Viola (COELP 41873) - (1983)

Nome Compositor Ritmo
Baile Na Roça Tonico / Nadir Cana-verde
Viola De Ouro Pedro Bento Querumana
Bail√£o Ga√ļcho Tonico / Nadir Vaner√£o
Cora√ß√£o Sofredor Nh√ī Pai / Nalva Aguiar Polca
Adeus, Adeus Tonico / Nadir Batid√£o
Valsinha Cabocla Orlando Padovan Valsa
Bate Co Pé, Bate Cá Mão Capitão Furtado Cururu
Viva A Viola Tonico / Nadir Cana-verde
Beto Carreiro Tonico / Nadir Chamarita
Saracura Tr√™s Potes T√©o Azevedo / C√Ęndido Canela Moda De Viola
La Paloma Sebastian Yradier Balanço
Cantar √Č Viver Tonico / Nadir Rancheira
Compartilhe essa pŠgina
Aprenda a tocar viola, acesse Apostila de Viola Caipira Material de qualidade produzido por Jo„o Vilarim